Discovery Process

Este artigo aprofunda a informação já sistematizada aqui acerca de Human Centered Design. O vídeo da Human Factors Research + Design permite conhecer algumas ferramentas úteis na primeira fase do processo, que anteriormente designamos como “Compreender” e que neste vídeo corresponde à fase “Discovery”. Independentemente da designação o objectivo desta etapa é criar um entendimento claro do problema.

Das ferramentas elencadas destacam-se as seguintes:

Criação de uma Persona

definição do utilizador-tipo, detalhando as suas necessidades e objectivos; permite gerar ideias e priorizar as características para a solução viável mínima.

Entrevistas e Inquéritos

permitem o contacto directo com o utilizador final e a recolha de informação em primeira mão acerca de experiências, opiniões, atitudes e percepções.

Construção de Cenários

através dos quais imaginar, do ponto de vista do utilizador, a utilização do produto no quotidiano, antecipando eventuais dúvidas e problemas.

Investigação Etnográfica

ou seja, observar utilizadores-tipo no seu ambiente natural, através de trabalho de campo, de modo a obter noções realistas acerca das necessidades, problemas, recursos e formas de fazer actuais.

Avaliações Heurísticas

correspondem à definição de um Estado da Arte, elencando produtos alternativos para a resolução do problema e avaliando-os do ponto de vista da usabilidade, segundo a metodologia de Jakob Nielsen *.

Análise de Competidores

na sequência da ferramenta anterior, propõe-se a realização de benchmarking, recolhendo informação acerca de práticas, produtos, forças e fraquezas que contribuam para um claro enquadramento.

Utilizadas normalmente na disciplina de Design UX – user experience -, estas ferramentas constituem alternativas metodológicas cuja aplicação poderá ser interessante na área da arquitectura.

*Nielsen, J. and Mack, R.L. (eds) (1994). Usability Inspection Methods, John Wiley & Sons Inc

Leave a Reply

Your email address will not be published.